Entenda mais como as bombas de infusão de insulina funcionam e como os pacientes com diabetes podem se beneficiar com este tratamento

Cada vez mais os pacientes com diabetes podem optar por um tratamento com bomba de insulina, um dispositivo eletrônico que através de um sistema de infusão contínua de insulina (SIC) substitui a necessidade de múltiplas injeções mediante a infusão de doses precisas.

O objetivo da terapêutica com o SIC de insulina, mais comumente chamado de bomba de infusão de insulina, é simular o que ocorre no organismo do indivíduo sem diabetes, mantendo a liberação de insulina durante 24 horas para tentar obter níveis normais de glicose entre as refeições e liberar insulina nos horários de alimentação. Assim, diversos fatores vêm contribuindo para o aumento do seu uso, incluindo foco nos desfechos favoráveis da terapia insulínica intensiva.

A bomba de infusão de insulina é um aparelho eletrônico do tamanho aproximado de um cartão de crédito, com 3cm de espessura e cerca de 100g de peso, que fica ligado ao corpo por um cateter. Importante esclarecer que não fica nenhuma agulha inserida no subcutâneo, apenas uma  cânula  de teflon que pode ser colocada na região subcutânea do abdômen, do braço, da região glútea, ou da coxa, devendo ser substituída a cada 2 ou 3 dias. Ela deve ser usada ao longo das 24 horas do dia, podendo ser retirada para o banho, atividade física, atividade sexual, etc. O importante é lembrar que a insulina utilizada na bomba tem uma duração muito curta e se o paciente desejar ficar mais de 1:30/2h sem estar conectado, vai precisar aplicar insulina com caneta ou seringa, em intervalos regulares,  até reconectar a bomba.

As bombas podem ser utilizadas tanto no tratamento do diabetes tipo 1,  quanto em alguns casos de diabetes do tipo 2. Em teoria, qualquer perfil de pacientes que seja dependente de insulina pode se beneficiar com as bombas. Entretanto, é importante avaliar se o paciente tem um perfil adequado para se adaptar a terapia. As bombas de insulina são particularmente úteis para pacientes em uso de baixas doses de insulina, como as crianças pequenas. Também, se beneficiam muito aqueles com muita variabilidade glicêmica, hipoglicemias frequentes, rotina irregular e gestantes. A evolução tecnológica e a integração com os sensores de glicose, possibilitam resultados incríveis, muito difíceis de serem alcançados com outras formas de tratamento, desde que as bombas modernas sejam utilizadas no paciente certo e sob orientação de uma equipe experiente.

 

Referências Consultadas:

Heinemann, L. Fleming, GA, Petrie, JR, Holl, RW, Bergenstal, RM, Peters, AL. Insulin Pump Risks and Benefits: A Clinical Appraisal of Pump Safety Standards, Adverse Event Reporting, and Research Needs

A Joint Statement of the European Association for the Study of Diabetes and the American Diabetes Association Diabetes Technology Working Group. Diabetes Care, 2015 Apr; 38(4): 716-722.

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2017-2018)

Ehrmann, D. Kulzer, B. Schipfer, M. Lippmann-Grob, B, Haakand, T, Hermanns, N. Efficacy of an Education Program for People With Diabetes and Insulin Pump Treatment (INPUT): Results From a Randomized Controlled Trial. Diabetes Care 2018 Dec; 41 (12): 2453-2462.